Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Os Contos da menina-Mulher

Quem conta um conto, acrescenta-lhe um ponto. Estes são os meus pontos sobre saúde, culinária e lifestyle. Aqui toda eu sou vírgulas, reticências e, no extremo, pontos de exclamação ou mesmo um ponto final!

Sex | 25.12.20

Vestir cor, num processo de luto

Faz hoje 4 meses que a minha irmã partiu. Para nós, o dia de Natal fica assim marcado - tal como todos os outros dias 25, daqui para a frente...

Agradeço, pelo menos, ao "Tio Costa" por permitir que possa ter estado com os meus pais (numa pequena consolação) nestes dias tão difíceis, tão sem cor.

 

Até este ano, a minha maior perda e o meu "primeiro grande luto", foi há 17 anos, com a morte do meu avô paterno. 

O meu Avô-Anjo, o avô que considero quase ter sido o único, devido à minha dinâmica familiar.

Noutros anos escrevi aqui sobre ele, no seu aniversário ou da sua morte. Dor e saudade dilacerantes e confusas, inesperadas, especialmente para o meu eu de 18 anos, tão apegada que era a ele.

Nas primeiras semanas vesti luto, o luto que considerei próprio para uma rapariga de 18 anos, acabada de entrar na faculdade: preto ou cinzento sempre com ganga.

E, no pós-Natal, 2 meses depois, vesti a primeira peça colorida: um colete vermelho que ele adorava - e que deixou a minha mãe chateada. Mas nesse dia falámos sobre como a roupa é só um espelho e que o vermelho do colete era o vermelho do amor pelo meu avô.

 

Este ano...

Este ano, este luto que doí e que me mudou como pessoa, tem sido uma luta.

Não me sinto negra, mas sim vazia. Mas sempre que me visto para a saída semanal para fazer as compras de frescos... tendo para o preto, o beije e o cinza. Sogrinha já me perguntou, preocupada, se sinto a necessidade, se é coping ou se me obrigo. E eu já expliquei: é incapacidade de sentir a cor. Parece-me que as cores falam "demasiado alto"... se me faço entender.

E com isso, em outubro, acabei a fazer uma encomenda na Shein: um casaco preto, e um vestido preto de polkadot verde tropa, sóbrio, na tentativa de ter "uma peça" que me fizesse querer voltar a usar cor - porque com os anos, praticamente deixei de ter cores escuras no meu guarda-vestidos.

 

E fui guardando, esperando por me sentir capaz.

Quando, no início do mês, estive de férias, 3 dos dias pareceram de primavera, com Sol e calor. E num desses, nuns laivos de "turista em Lisboa" fui caminhar à beira-mar - é sempre onde me apetece ir agora, se saio de casa: ver o mar...

E, 3 meses e 8 dias depois do adeus, voltei a vestir cor. Embora sempre ainda segura e confortada pelos tons escuros.

 

Hoje, 17 anos depois da primeira vez, continuo a defender o mesmo: o luto não está na roupa, e salvo raras exceções... o luto total não se me vê como necessário.

Mas, desta vez, o escuro é o que me conforta quando tenho que sair e ver o mundo lá fora, talvez porque o buraco no coração continua enorme e eu só queira estar aninhada na sua proteção.

E claro podem sempre aplicar o meu código de desconto online a estes preços pelintras: 3Qsabel15 (15% extra de desconto em tudo, acumulável), código válido até ao final do ano! Como habitualmente, seguindo por este link: https://eur.shein.com)

 

*post não patrocinado, mas com código de afiliada

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.