Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Os Contos da menina-Mulher

Quem conta um conto, acrescenta-lhe um ponto. Estes são os meus pontos sobre saúde, culinária e lifestyle. Aqui toda eu sou vírgulas, reticências e, no extremo, pontos de exclamação ou mesmo um ponto final!

Qua | 07.03.18

Das internets: evolução

Acho que já falei da Helena aqui.

Até porque graças a uma interação que a vi ter num grupo de Facebook de bloggers, há cerca de um ano, tive um pico de visitas, durante uns dias.

 

A verdade é que conheci a Helena há 2 anos, no Bloggers Camp. Ela deu um workshop que me fez sorrir, por ser tão ligado a Assessoria de Imprensa, a minha primeira paixão/área profissional.

 

Entretanto, especialmente desde o lançamento do livro e a alteração do blogue para nome próprio, tenho-a seguido "mais de perto" e percebido que até que vou concordando com ela, em muitos pontos de vista, decisões pessoais, controlo do consumismo, amor pelos livros, devoção pelos gatos... and so on and so on.

 

Esta semana, ela publicou este texto.

 

E dentro dele, estes excertos:

Uma das coisa que mais mudou em mim nos últimos anos foi a minha relação com a beleza. [...]

[...] Nos últimos, talvez, três anos mudei radicalmente. [...]

[...] Como sabem, não gosto de fazer posts de beleza com novidades ou montagens de produtos de shopping (embora já o tenha feito no passado mas é mesmo assim, estamos sempre a mudar) porque não sinto que isso tenha algum interesse. [...]

 

Eu conto com menos de um ano deste tipo de mudança interna e pessoal. Com esta limpeza e liberdade mental. Evoluindo.

Noto, por exemplo, que me voltei a interessar muito mais por cultura e literatura. Por fazer algo, ir a locais, mais do que sonhar, aspirar a chegar a "standards" que vejo na internet. Mais por mim, sem medo de egoismo, porque se eu não viver, ninguém vai viver por mim - por muito que prometam coisas parecidas.

 

Agora percebo o porquê da Helena me ter interessado, mas eu me ter mantido um bocadinho para o afastada.

Ainda não estava pronta para "começar a largar" - e isto não se aplica só ao consumismo, à cosmética. Mas também a pessoas, a lugares, a expectativas. E assustei-me. E eu, quando me assusto, afasto-me e rosno, ao de longe. No meu cantinho.

 

Ultimamente, tenho começado a sair mais da minha toca, mostrando que sim, vou dando os meus passos.

E revejo-me em alguns da Helena.

É bom saber que, cedo ou tarde, mais à frente ou mais atrás, não se caminha sozinho.

8 comentários

Comentar post