Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Contos da menina-Mulher

Quem conta um conto, acrescenta-lhe um ponto. Estes são os meus pontos sobre saúde, culinária e lifestyle. Aqui toda eu sou vírgulas, reticências e, no extremo, pontos de exclamação ou mesmo um ponto final!

Sex | 04.05.18

#coisasboasà6ªfeira | Aniversários

Faz hoje, 4 de maio, 4 anos, que, por esta hora, estava a CHEGAR a Lisboa.

A chegar para ficar.

A chegar depois de uma viagem de 4 horas, em que chorei o caminho todo.

 

Não vim à experiência. Vim para dar um empurrão à vida, para viver, para me sentir mais livre, como Lisboa me fazia sentir.

Sei hoje que vim iludida profissionalmente. Tive que, em 4 anos, lutar tanto ou mais do que lutei no Porto.

 

Mas vim. E quem diria, que 4 anos depois, esta seria a minha casa?

Em 4 anos o tempo voou: entre a adaptação, a tristeza, a in-adaptação, a solidão. A descoberta, o passo à frente na relação, os passos para a vida na relação. A verdadeira independência.

Tanto coube e cabe em 4 anos. Que há dias em que parecem uma vida. Que há dias em que parece que tudo começou ontem.

 

Eu e Lisboa não somos as "melhores amigas" que imaginava.

Sofri muito nesta cidade. Conheci o lado negro da solidão, da inaptidão social.

Mas também me passei a conhecer melhor. A lutar mais. A não me deixar afundar em mim mesma.

Se calhar, se calhar... eu e Lisboa somos as melhores amigas? Afinal, ela mostrou-me o meu lado negro, aturou-me e atura-me quando me vou abaixo e... ainda cá estamos as duas, com força para continuar esta relação-montanha-russa.

 

Não sei o que este texto vos parece desse lado... não falo de um estado de ingratidão, de dor, de desilusão. Já os senti sim.

Mas, ao 4º ano, no 4º dia de maio, já não é aí que estou.

A mudança que fiz, louca e "do momento", em busca de uma vida melhor, mais estável (e olhem a grande ironia nesta frase...) trouxe-me a uma nova cidade, sim. Trouxe-me a duas novas casas, uma "para sempre", sim. A uma nova família. A uma nova forma de encarar as amizades, sim. Está a mostrar-me, no último ano, o que é aprender-me, perceber-me e viver-me.

 

Parabéns a nós, mudanças.

Hoje, por muito que dias difíceis apareçam, hoje és a minhas #coisaboasà6ªfeira.

Hoje brindarei a ti.