Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Contos da menina-Mulher

Quem conta um conto, acrescenta-lhe um ponto... Aqui toda eu sou vírgulas, reticências e, no extremo, pontos de exclamação ou mesmo um ponto final. Parágrafo!

Relato de experiência - Realash

E cá estamos nós em abril!

E eu m-M Maria não falho ao prometido! 12 semanas passadas, este post relata a minha experiência com o serum de pestanas da Realash.

 

Como puderam ver aqui e aqui, na 1ª utilização e ao final do 1º mês, este serum prometeu E cumpriu!

Nesta 3ª fase, que terminei no início desta semana, e dado que eu sou uma realista-pessimista pensei: "aaah isto agora abranda"!

Mas tal NÃO aconteceu: as pestanas continuaram a ganhar definição, volume, curvatura e densidade. Como?

Mantendo a rotina noturna: limpar a pele (desmaquilhante + tónico + água micelar), hidratar a pele, colocar o serum, todas as noites, 15 minutos antes de dormir.

IMG_2040.JPG

E este é o resultado final:

Já viram a diferença entre a 1ª foto e estas últimas?

Estou verdadeiramente satisfeita com o serum Realash, com a clareza das instruções, com a facilidade de utilização e também (e isto é muito importante) com o atendimento da marca.

Dado que o período recomendado de utilização continuada é de 3 meses, por agora irei fazer uma pausa, mas sei que encontrei aqui o meu aliado para fortalecer as minhas pestanas.

 

E vocês? Estão prontas para experimentar?

Divulgação - Bio Extratus Linha Força (com Pimenta)

Se andam com atenção pela internet, já se cruzaram com a Bio Extratus Portugal.

A Bio Extratus é uma marca de origem brasileira, que vende Cosméticos (e produtos para o cabelo) Naturais. Um fator bastante importante é que esta marca não testa os seus produtos em animais

Contactei-os após ler boas críticas e clientes muito satisfeitas.

Ainda a "recuperar do desaire" que foi a parceria com a Embelleze Portugal, contactei a querida Kênia para pedir produtos, sim, mas para os fãs do Faicibuqui, para organizar um passatempo para eles. Pelas pesquisas de mercado sei que é uma marca com um valor médio que já não está ao alcance de todos, e quem segue a página de Faicibuqui aqui do blogue, sabe que a uso muito para mimar quem me segue e ajudar o péssuaú a ter acesso a bons produtos e sentir-se um pouco melhor.

 

Já com o passatempo (que correu muito bem) encerrado, fui eu a surpreendida, em retorno do passatempo, fui presenteada com a Linha Detox e alguns miminhos - que estou agora a testar (preparem-se que me maio conto tudinho de como o meu "pêlo de rato" cabelo se está a dar!).

 

Entretanto a Kênia, que tem estado no Brasil, a trabalhar com a "marca mãe", enviou-me, esta semana, material de divulgação sobre a nova Linha Força (com Pimenta), e mal bati os olhinhos nas características, suspirei.

20170411_152805.jpg

Porquê?

Porque a sua principal função é: Acelerar o crescimento saudável devolvendo brilho e vitalidade aos cabelos enfraquecidos. Ouvem o meu cabelo a bater palminhas?  A imaginar-se forte, brilhante e lindo?

 

Os principais diferenciadores desta linha Força com Pimenta são:

  • Pimenta: ação estimulante e nutritiva, atua no fortalecimento dos fios.
  • Microqueratina: capacidade de reparação e ação nutritiva. Ativa o brilho e a maciez dos cabelos danificados.
  • BIOXYL: Tecnologia exclusiva Bio Extratus. Aumenta a vascularização da derme, reduz os fios em queda e aumenta os que estão crescendo. Aumenta também a densidade e o comprimento médio dos fios.

Ou seja, esta nova linha não só promete fortalecer o cabelo, como aumentar o crescimento e reduz a queda!

É uma Aleluia de que o meu cabelo está a precisar.

 

Aqui entre nós, claro que vou terminar a linha Detox primeiro. Mas já estou a fazer as continhas e a olhar para o calendário, para planear a minha próxima à Tulsicosmetics e aproveitar as promoções para trazer "tudo isto" da Bio Extratus, pelo melhor preço!

Ainda há quem se vista "para ir à Madrinha"?

Eu sei que sou Millennial e tal, mas a verdade é que os meus pais não são.

Não posso dizer que tenha uns pais modernos e cool. E isso resulta em, mesmo sendo todos de esquerda, os meus pais têm uns laivos de conservadorismo e respeito pelas "classes" que já não se enquadra com os hábitos de muito boa gente.

 

Eu apercebi-me (ainda mais) disso no Domingo, quando aproveitei a oferta da Romwe e, sendo Páscoa, "me vesti como se fosse visitar a Madrinha".

Alindei-me, pus os meus assessórios (já vos tinha mostrado o meu relógio da Watxandco., prendinha de Natal?), conjuguei os detalhes e aproveitei o facto deste vestido ser fininho (e semi-transparente ) e lá fui eu aproveitar o último dia do fim-de-semana prolongado.

IMG_0937.JPG

IMG_0939.JPG

(eu sei... estou a precisar de retocar o corte de cabelo já vou tratar disso na próxima semana )

 

Este vestido faz muito mais o meu género do que este. Também é um M, mas já me assenta bem por todo. Cuidado é que à frente é bem curtinho! A cor é muito mais escura do que no website, sendo que só ao sol é que tem laivos de azul, mas não diz o ditado que "com um vestidinho preto, eu nunca me comprometo"? O detalhe dos fechos é muito giro, faz toda a diferença neste vestido! E, já o estou a passar para colocar na mala para as férias (T-2 dias!!!!) - digamos que a mala das férias vai ser: vestidos + vestidos + vestidos + sapatilhaaaaas!

E já viram? O pessoal da Romwe é 'miguinho e está com esta peça a um ótimo preço!!! É aproveitar e resgata-lo para vir fazer parte dos vossos armários para a mudança de estação

 

Aaaah e já viram o profissionalismo do m-R? Conseguiu tirar fotos em que mal se notam as 15 picadelas nas pernas. Este moço está a virar pro!

 

Agora digam-me vocês, de vossa justiça?

Dos autifites da Páscoa, qual ganhou? Este ou o de hoje?

Novidades de Páscoa - powered by SheIn

Todos os anos dou a escolher ao meu afilhado: Páscoa juntos OU aniversário juntos?

O meu H. foi esperto que nem um rato: nasceu no dia anterior a um feriado. Por outro lado, não foi assim tão esperto: nasceu sempre coladinho à Páscoa.

Aos 6 anos confirmou (que eu, como Madrinha já suspeitava), não querer seguir os ensinamentos religiosos e eu assenti. Porque foram exatamente os meus padrinhos que me afastaram da religião com a sua beatice e o sentimento de obrigação por detrás da religião.

Assim sendo, este ano, como o faço, especialmente desde que me mudei para Lisboa, perguntei ao H.: Páscoa ou aniversário?

Do outro lado do telefone ouvi o esperado: Os meus anos, claro!

E desta feita, este ano a Páscoa foi passada na Terrinha, a celebrar os 82 anos da avó do m-R. Com muito gosto!

Levamo-la a passear a uma das suas cidades favoritas: Caldas da Rainha, que eu nem conhecia!

 

E acabei a dar graças por ter levado o meu novo vestido da SheIn a passear, pois o Jardim das Termas é lindo e o dia estava maravilhoso! Agora percebo porquê que uma "avó" como a do m-R, calminha e caseira, está sempre a falar da cidade com um brilhozinho nos olhos

 

Et voilá, o look de feriado. O vestido é um M, mas é um pouco largo, ou seja, para me servir nos ombros (tenho os ombros largos, cortesia de 13 anos de natação) ficou largo pelo resto do corpo, mas tem bolso (o que eu acho sempre fofo num vestido) e o detalhe das mangas é super fofinho! Reconhecimento ao m-R que ainda conseguiu apanhar a minha tattoo menos favorita a espreitar!

IMG_0925.JPG

 

IMG_0930.JPG

Recomendo este vestido exatamente para esta época, a mudança de estação, mas acredito que fique melhor a meninas com menos anca do que eu - sim, eu tenho espelhos em casa

 

E vocês? Que me dizem?

 

Review - Sinto-te (Chiado Editora)

Comecei por vos apresentar este livro.

E, 5 dias depois, acabei de o ler. Já em trânsito para Estarreja, destino da última visita de trabalho.

 

A Ana leva-nos num "romance do quotidiano", num livro de detalhes, que nós liga às personagens e nos faz pensar: "Quantos dos meus dias não são semelhantes?"

As personagens rondam a minha idade (vinte e muitos, trinta e poucos) e a autora não se coíbe de tocar em assuntos que fazem parte da nossa sociedade: homossexualidade, violência, o "trabalhar para viver", os conflitos familiares.

Em 150 páginas, a autora, com uma escrita direta, qual diário, faz-nos sentir espetadores/amigos/vizinhos das personagens. Faz-nos sentir que as nossas lutas pessoais não passam despercebidas e podem mesmo resultar num livro.

"Sinto-te" é leve pelo seu tamanho e porque encerra a história com uma boa (e simples) história de amor. Mas toca porque não foge de assuntos com que nos cruzamos, todos os dias.

Pessoalmente, apenas pedia mais das passagens esotéricas (que foram o que me levou a escolher este livro) e mais um capítulo que me permitisse celebrar melhor as voltas positivas na vida das personagens.

 

Recomendo, especialmente para o período de férias que se avizinha.

Review - Memnoch, the Devil (Anne Rice)

Este ano, a "meta" é ler entre 13 e 15 livros. Para este número muito devo ao autocarro, que parte mesmo daqui da Avenida, e me dá 20 a 25 minutos de leitura, todos os dias (que o consigo apanhar).

Memnoch, o Demónio é o 5º volume da saga "As crónicas do Vampiro" de Anne Rice, uma saga de que gosto desde pequena, com personagens que sinto conhecer. Com este volume, chego quase a meio da viagem com este núcleo, muito mais humano do que os nomes das obras deixariam parecer.

Já o tinha comigo desde 2015, foi um presente dos golden 30's atrasado. Comprei o 6º volume, o ano passado na Feira do Livro, mas demorei 5 meses a ler este livro. E isso, já creio, diz muito.

Chego, assim, quase a meio desta saga.

Foi o 1º que li na língua nativa e foi o que mais me desiludiu. Quem diria que uma escrita frenética poderia ser aborrecida? Pois, que pode.

Anne Rice perpetua o "estilo" do volume anterior (O Ladrão de Corpos): história arrastada sem acréscimo de valor, até aos últimos 8 capítulos. Um final feito de capítulos corridos, de choque pelo choque, sem explicações, crescendo que fica no ar, sem ser um cliffhanger, levando mais à frustração do que a qualquer outro sentimento.
Lestat aparece mais "só", ainda mais humanizado do que no 4º volume, apenas para ser ainda mais a vítima. repete-se também o que me começa a parece um hábito: Lestat objetivizado para uso das mulheres, personagens, elas, também repetitivas: frágeis na sua força, dicotómicas, iludidas (por ele e por si mesmas), que no final do encantamento, "descartam" Lestat.

Continuarei a saga, porque gosto das personagens do núcleo, porque espero que regresse à força do 2º volume, porque o próximo parece sair um pouco do foco "apenas Lestat".
Mas o meu fogo por esta trama, e pior, por esta autora, que acarinho desde pequena, começa a diminuir. E isso, no mundo dos livros, é das maiores tristezas...

Retirem-me o "título".

Ontem o Spotify trouxe-me, a pensar que me ia matar as saudades de "Casa", o Porto Sentido, de Rui Veloso.

E eu, ao contrário do que faria nos idos de 2009, sorri.

Eu, Portuense, com "letra grande", orgulhosa das minhas raízes, de gema, de alma e de coração; que até simpatiza com o Rui (mas que já não lhe liga tanto como antes)... eu, m-M Maria, nascida em Miragaia, não posso com esta música.

 

Convenhamos, mesmo quando estava no Porto e sonhava de lá sair (eu e os meus sonhos!), sempre achei esta música overated. Que não nos representa a todos, que ser Porto, sentir Porto é tão mais. É sangue, é sotaque, é sítios, é família. É "menina" seja com que idade for. É comida com sabor.

Não são meia-dúzia de palavras giras numa melodia delico-doce.

Pior ficaram, para mim, quando, em 2009, o meu ex-loiro, alto e dinamarquês, Lisboeta, achou que dedicar-me a canção, cantada num karaoke a 300 kms, já com um copo a mais, no bucho, é que era romântico.  Ei lá, "A comichão" que me passou a fazer! 

 

Bem, ao menos, já sorrio à música, mesmo achando que não me representa, nem me faz "sentir nada".

Retirem-me o "título", vai-se a ver e estou a perder o Portuense-anismo. 

É assim a vida, cá em casa:

Obrigado P3 por trazeres visibilidade à escolha que fizemos, há quase 2 anos, lá em casa.

 

O ser Flexitariano, para nós é isto, mas numa transição mais gradual, mais sustentada, para o corpo não passar por ressacas nem pela pressão do "fundamentalismo".

O casal do artigo é mais novo, mas está "nisto" há mais anos e tem uma visão mais decidida da sua escolha.

Nós? Nós pensamos na saúde 1º. No bolso em 2º lugar. E no sabor e na satisfação de comer sempre.

Leiam tudo aqui.

Receita - Caril de lentilhas vermelhas e batata doce

No 24 Kitchen há uma cozinheira de descendência indiana (mil perdões, mas não me lembro do nome dela...) que tem um segmento de receitas, daquelas de 5 minutos, entre um programa e o outro.

 

Adoro vê-la, quando a "apanho", porque ela em 5 minutos faz sempre um enquadramento socio-económico da receita, junta-lhe memórias de infância e mostra como afinal a cozinha indiana está acessível e não é nenhum bicho papão!

Há uns quantos programas vi-a cozinhar um caril rápido de lentilhas vermelhas. E eu, que desde há um ano para cá virei super fã de lentilhas? Especialmente as vermelhas que são as que cozinham mais rápido, as que ficam mais macias e as que corremos menos riscos de ficarem encruadas.

Só vos digo, fiquei logo de "antenas" no ar.

Aqui entre nós, não estava com vontade de repetir o basmati, ou não parece que estou sempre a fazer as mesmas receitas 

 

Inspirei-me na receita do 24 Kitchen, abri o frigorífico e fiz a minha versão, com os legumes e ingredientes que tinha em casa.

 

Ingredientes:

  • meia cebola
  • 1 1/2 colher de sopa de manteiga
  • 2 dentes de alho
  • 2 colheres de sopa de vinagre de vinho tinto
  • 2 colheres de sopa de vinho branco
  • 1 colher de sopa de massa de pimentão
  • pimenta, sal, caril, açafrão, mistura de massala em pó e chili em pó q.b
  • meio talo de alho francês
  • meio talo de ruibarbo (descascado)
  • meio pimento verde
  • meia courgete (descascada)
  • 1 iogurte natural
  • sumo de meio limão
  • 3 batatas doces pequenas
  • amêndoas e amendoins naturais (cortados) para polvilhar e dar crunch

 

Comecei por cozer a batata doce, sem pele e em cubos, e as lentilhas, 3/4 de chávena, para duas chávenas de água (em tachos separados), cerca de 10 minutos. Reservei.

Depois fiz um estrugido muito leve, com os ingredientes pela ordem que encontram na lista e os temperos. Pessoalmente gosto de cortar todos os ingredientes em cubos pequenos, por um lado cozinham mais depressa; por outro envolvem melhor no molho das lentilhas. Os legumes, o vinagre e o vinho deverão (comigo acontece!) largar água suficiente para cozinhar os primeiros 10 minutos em lume médio-baixo. Ao fim de 10 minutos, junto o iogurte natural e o sumo de limão acabado de espremer, mexo e deixo cozinhar mais 10 minutos. No final, junto as batatas e as lentilhas e envolvo. Mesmo antes de servir, polvilho com os frutos secos et voilá!

(Imagem exemplificativa, para não variar... )

 

Em 40 minutos uma refeição saciante, reconfortante e que dá para 4 levadas 

Inspiração - Lang Leav

Isto de voltar a ler a poesia que já escrevi, fez-me pesquisar novos poetas.

Apesar de não ser a maior fã do mundo de poesia, e de quase fugir dos Cánones que TOOOOOOODA a gente ama, como "rapariga de Letras", sei que, quando encontramos quem nos toca, não há como um poeta para nos escrever a alma.

 

Em Português sou um pouco revolucionária, muito sentimental, muito "bater com o punho na mesa". Sinto-me Ary e Sophia, em muito, nos momentos importantes da vida (Ary foi o escolhido para abrir a minha Tese de Mestrado, para terem noção ).

 

Há umas semanas, enquanto pesquisava material para os Mood Boards aqui do blogue, cruzei-me com Lang Leav, uma poetisa das redes sociais, sim, leram bem, uma poetisa que ganhou força e visibilidade nas redes sociais e que desde 2014 anda a deslumbrar o mundo.

Para mim, tem uma escrita forte, pessoal, feminina, intensa. Tudo o que eu gosto, tudo o que me inspira. E quando percebi a história dela, tinha que a partilhar convosco.