Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Contos da menina-Mulher

Quem conta um conto, acrescenta-lhe um ponto... Aqui toda eu sou vírgulas, reticências e, no extremo, pontos de exclamação ou mesmo um ponto final. Parágrafo!

Moodboard #FÉRIAS

Hoje, dia de aniversário do meu Avô-anjo (faria 87 anos, se ainda estivesse connosco...), hoje, que acabei de entrar de férias. Hoje, mesmo chateada com voltas da vida e atitudes pequeninas... hoje o foco é um e só um: férias.

 

 

Volto ao ritmo "normal" no dia 2 de maio... entretanto vou publicando umas coisitas até dizer ti jei a Lisboa, na 4ª feira

Bom fim-de-semana péssuaú!

É só a mim que me está a custar horrores?

Cada dia a menos na "contagem" para as férias, me custa mais estar focada no trabalho

Acho que é de ter o SPA e a piscina a chamar por mim. Acho que é de saber que vou para o Norte. Acho que é de ir passar 3 dias a um hotel daqueles assim "de trás da orelha", como nunca fui.

Isso e os meses de 2017 estarem a ser "a matar" e ainda andar a lidar com alterações e tentações a nível profissional...

(também não é a este nível... tenham calma, que nós AINDA não ganhamos o A€uriomilhões )

 

Digam-me que não é só a mim que custa horrores trabalhar, antes das férias...

Mas caraças! Um ano e um mês depois das últimas... já merecemos, não?

Fim-de-semana prolongado, eu vou-lhi usá!

Nada como ter um fim-de-semana prolongado, mesmo antes de termos metido férias. Nunca tinha feito isto e, no fundo, apercebo-me que é quase como fazer um estágio, à la jogador da bola.

 

Confesso (e isto não é nada meu hábito, mas os anti-histamínicos levam a melhor...), não desfiz a mala, desde que cheguei, há 3 dias. Simplesmente porque vai ser um caso de trocar as peças de roupa por ainda mais vestidos e calções e blusas e sair, porta fora , rumo a 3 dias numas férias em hotel 4*, como nunca tive (nada como, graças ao trabalho, encontrar uma super pechincha para ser ainda mais pelintra!).

 

E o Universo realmente junta-se para me presentear, numa tentativa de me levantar o espírito.

Chagaram estas duas encomendas (se não conseguirem perceber bem as fotos, cliquem para aumentar, o meu Iphosga-se está a dar as últimas e nota-se bem pela camara), que vão direitinhas comigo, passear - e sim, serei a rapariga das pernas "assassinadas" por picadas de melgas, mas oh Teresa, isso agora não interessa nada!

17637231_782119698607484_5419982083465682251_o.jpg

 (Saldos!!!)

17880256_785978491554938_7670868402134339636_o.jpg

 (Ofertasss!!!)

Do enquadramento

À minha volta grassam frases positivas, pessoas agradecidas, pessoas que encontraram uma nova força, motivação e frases chavão.

Por muitas, "amigas, conhecidas", fico feliz, sorrio, por finalmente os ver bem.

 

Em mim, cresce insatisfação.

Eu, a eterna instisfeita, que tem/cria expectativas tão altas, que as coisas acontecem e a frase interna é: "afinal é isto?".

Dou por mim a entrar no cíclo da insatisfação: a ficar frustradinha, irritadinha e fartinha, cá dentro. Tudo em inha porque supostamente, não tenho motivos para mais.

E neste meu ciclo, começo a levar as coisas a peito, a ver maldade e apontar de dedo. E penso: "eu devia era acomodar-me e jogar o jogo", mas não consigo. E pimbas! Vai-de começar a atirar a "rede ao peixe", a ver se algo melhora, mesmo tendo ganho medo a mudanças.

 

New age e frases chavão parecem-me ocas, desconfio de quem vive por elas (por muito que goste de quem vive por elas).

Realmente sou como me leram, há muitos anos:

És quem quer sempre mais e não o tem, e vais ter que te habituar e aceitar isso.

 

Ora muito bom dia!

O Sol brilha. Às 9 da manhã já se sente o seu quentinho, nas costas.

E meia-Lisboa está de férias.

 

E como é que eu sei?

Porque o Metro vem com 1/3 das pessoas.

E mesmo as que lá vêm dentro (euzinha incluída), vêm com olhos sonhadores, olhos de quem conta os dias para as férias. (T-11 dias).

 

E com esta (e menos amassos e empurrões no Metro) vos desejo um ótimo dia!

 

P.S: Passem aqui, há passatempo de Páscoa.

Trago muito dos últimos dias...

A viagem de trabalho correu bem.

Os dias foram cheios, mas deslizaram, passaram-se bem. Na dinãmica habitual de quem se "enfia", 9 a 12 horas, por dia, num evento.

O sol voltou, o calor voltou e, juntos, resultaram em 4 dos mais bonitos fins de dia/entardeceres que já vi.

 

Muito trabalho, dias de 10 horas.

Um hotel tão bom que vamos lá regressar, em lazer, em breve (muito breve!). Pequenos-almoços que aproveitei ao máximo e que fizeram o lugar do almoço TODOS os dias.

Muitas pessoas, muitos sorrisos, muita voz colocada. E o saber que auxiliei o meu local de trabalho, ainda mais do que imaginava, que me dessenrasquei sempre e que o mal-estar "adormeceu" nestes dias - nada como fugir à rotina, né?

E mais uma blogger/fã que me foi conhecer.

 

Eeeeeee...

Muitas, MUITAS melgas e bicharocos voadores, que gostam de calor!

Poucas horas de sono, o corpo cansado e uma crise alérgica causada pelas picadas.

 

Trago muito, muito destes últimos dias, mas perdoem-me... o que me salta à memória são as 24, VINTE E QUATRO picadas de melgas... às quais fiz alergia!

Descobri que sou um doce de menina e que as melgas têm uma preferência louca pelo lado direito do meu corpo - terei sido atacada por melgas de centro-direita? As Passos Coelhos e Portas da melgada?!

Tanto que estou a trabalhar de casa, acompanhada de anti-histamínicos e pomadinha calmante...

 

Agora, desculpem-me... vou só ali cosar a minha perna

Mais uma voltinha, mais uma viagem...

E lá vou eu arrancar para mais uma viagem de trabalho.

Desta feita, uma apresentação pública, de 4 dias, a diferentes públicos, com diferentes projetos.

A ver vamos como corre - digo-vos, não vou com enormes expectativas... desde que nos dêmos todos bem, o quarto para dormir seja jeitoso e o pequeno-almoço seja bom, já dou os dias como positivos...

 

Domingo à noite devo estar de volta a casa (devia ter metido 2ª feira como folga e esqueci-me... ).

Valha-nos que dizem que vai estar bom tempo... e isso nestas apresentações vale pela vida!!!

E que quando voltar ficam a faltar 11 dias para as férias! 

Pelo que sei, o meu acesso à internet vai ser praticamente nulo, por isso, confesso já: algum post que aqui apareça é agendado, sinhores e sinhoras!

Espero que tenham muitas saudades minhas 

 

P.S - Caso estejam a morrer de saudades, espreitem também o Facibuqui aqui do blogue, sempre consigo dar mais sinais de vida por lá 

Não vos contei!

Não vos contei, e escrevo aqui, para que eu mesma não me esqueça!

 

Desde o fim do mês, voltei a ter "um estagiário".

Há anos... anos! Que não orientava um estagiário...

E o Universo foi um fixolas e enviou-me um bom estagiário, o G.: simpático, respeitoso, interessado, cumpridor.

Faz-me lembrar a D. há tantos anos atrás.

Faz-me ter fé em quem passa no meu caminho profissional. Faz-me ter fé no futuro.

É bom ver alguém puro - mesmo com uma vida difícil e um monte de pré-conceitos prontos a serem-lhe apontados - com um sorriso no rosto. Com os braços e o peito aberto ao mundo, pronto para aprender algo mais.

E lembro-me: eu já fui assim. Eu já fiz ser assim.

E isso é bom.

Um ano depois, mais ou menos "no mesmo sítio"...

Há um ano atrás este blogue esteve em pausa, quando cheguei a uma altura em que já não estava a conseguir lidar com o bullying laboral; quando então decidi "desaparecer" para não pesar a quem me lê/lia...

 

Nessa altura fiquei sozinha na equipa onde trabalhava. Dos 18 que chegamos a ser, ficamos 3, contando comigo, que a 22 de março tinha sido informada que tinha sido dispensada e sairia em maio seguinte.

Perdi a companhia dos almoços, a companhia dos regressos para casa. Não tinha com quem falar, andava lá, feita fantasma.

Quem ganhou com isso? A saúde e a carteira. Porquê? Porque deixei de fumar.

Sou uma fumadora social e uma fumadora nervosa. Fumo, maioritariamente, quando tenho companhia e/ou estou nervosa.

 

Neste último ano consegui estar 2 meses sem fumar. Consegui reduzir para 1 a 2 cigarros por dia. Consegui passar para cigarros fraquinhos e mentolados. Sem pressões, simplesmente porque é a diminuir que me sinto melhor. Porque os dias em que fumo como chaminé são cada vez mais raros e sabem-me bem assim, raros!

 

Entretanto, nas últimas semanas, chegamos a "um dia" em que o maço acabou. E não apeteceu a ninguém ir comprar. E depois estava a chover. E depois estava frio... E assim se passaram duas semanas, sem reparar.

Há duas semanas que não fumo. Há duas semanas que não gasto dinheiro em tabaco. O mais engraçado? Não "fiz por isso", não é nenhuma meta ou decisão inabalável ou fundamentalista.

Conhecendo-me, na próxima visita ao Porto, nas férias no fim de abril (se não antes), lá me irei munir eu de um maço, para me auxiliar no lidar com os nervos.

Ao fim e ao cabo, estou a escrever este texto, por me ter apercebido do quão cíclica eu sou e a vida pode ser.