Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Contos da menina-Mulher

Quem conta um conto, acrescenta-lhe um ponto. Estes são os meus pontos sobre saúde, culinária e lifestyle. Aqui toda eu sou vírgulas, reticências e, no extremo, pontos de exclamação ou mesmo um ponto final!

Ter | 05.12.17

#énatalénatal!

m-M
Como é que sabemos que está a chegar o Natal?Fácil! Basta fazer uma visitinha aos CTT para começar o dia... Primeiro: a alfândega agora "prende" tudo o que pode e pede quase 40% do valor da encomenda para desalfandegar - devem ter ficado sem o bónus de Natal e vão ao nosso bolso... Segundo: é ver o que já para aí vai de pessoal a enviar encomendas para os familiares e amigos que estão longe. Caixas, caixinhas e caixotões!Euzinha vou tratar disso, para a semana. Ele é o
Sex | 01.12.17

3 meses de gym | revisão da "matéria dada"

m-M
(Esta é a *enorme* coisa boa, desta semana)3 meses - mais ou menos 100 dias depois, cá estou eu. (Isa, oh eu a fazer-te shade )Uma pessoa "nova" desde o regresso à vida de ginásio. Consegui manter o meu foco: treinar (quase sempre) 3x por semana.Não fiquei a vegetar e a fazer gazeta no sofá uma única vez, mesmo com a chegada do frio!Já consigo fazer partes das aulas sozinha e já só "uso" aula de PT uma vez por semana - o que a (...)
Qui | 30.11.17

Dióspiro de "roer": uma mistura estranha

m-M
O Carlos inspirou-me a ter (também) a minha primeira vez... E foi... estranho.Um dióspiro de "roer" (ou de "rilhar", como dizem no Norte), é uma fruta da qual fugi durante anos!Eu que já fui viciada pelos dióspiros moles/de prato... comi tantos que os enjoei. Hoje em dia tenho arrepios só de os ver ou de os cheirar. Mas li o texto do Carlos, no dia seguinte fui fazer as compras do mês, (...)
Qua | 29.11.17

Abraçoólica

m-M
Lembro-me de quando era uma rapariga quasi-obcecada por abraços. Para mim, num abraço podia estar a(s) resposta(s) à(s) questão(ões) mais importante(s) do mundo. Um abraço, se bem dado, entrega, por entre os braços e a força do "aperto", o sentimento que as palavras não conseguem mostrar, ou que os olhos não conseguem dizer. Há uns anos, eu pedir um abraço, eu dizer que esperava por um abraço... era das maiores provas de carinho que eu podia dar a alguém. Um tipo de prova que (...)